PERSISTIR

“Seja você mesmo, porque ou somos nós mesmos, ou não somos coisa nenhuma…” 
Monteiro Lobato

Quando chegamos como seres sociais, iniciamos nossa construção humana, através da identidade em nossa formação psicossexual. De acordo com o grupo ao qual estabelecermos contato, modelaremos a construção do que seremos, nos identificaremos, e sucessivamente, cresceremos afetivamente. O que nos afeta estará relacionado com a forma que somos olhados, isso estará proporcionalmente estabelecido com o grau de aceitação. Entendermos esse olhar, preencherá o senso de pertencimento, e nos proporcionará a grata ou ingrata satisfação de  sermos parte de “alguma coisa maior do que nós mesmos”, algo que nos dá força e incentivo para enfrentar as dificuldades, lutar por uma causa/ideologia, e que será útil a alguém, em contraponto à sensação de ninguendade, como colocou Darcy Ribeiro em sua obra O povo brasileiro para ilustrar o nosso complexo de “vira-latas” em referência às nossas raízes mestiças.

Pertencer significa ser parte indissociável, algo imprescindível ao todo

Hellinger caracteriza a culpa como sendo uma arrogância no achar que se poderia fazer algo diferente do que foi feito.

Abraham Maslow sugeriu que a necessidade de pertencer era uma grande fonte de motivação humana. Ele pensou que era uma das cinco necessidades humanas em sua hierarquia de necessidades, juntamente com as necessidades fisiológicas, segurança, auto-estima e auto-realização. Estas necessidades são organizadas em uma hierarquia e deve ser satisfeita em ordem. Após a satisfação de necessidades fisiológicas e de segurança de um indivíduo pode, então, trabalhamos para atender a necessidade de pertencer e ser amado. De acordo com Maslow, se as duas primeiras necessidades não são satisfeitas, então um indivíduo não pode amar completamente outra pessoa.

Outras teorias também têm se concentrado na necessidade de pertencer como uma motivação psicológica fundamental. De acordo com Roy Baumeister e Mark Leary, todos os seres humanos precisam de uma certa quantidade mínima de interações sociais regulares, satisfatórios. A incapacidade de atender a essa necessidade resulta em solidão, angústia mental, e um forte desejo de formar novos relacionamentos. Vários psicólogos propuseram que existem diferenças individuais na motivação das pessoas para pertencer. Pessoas com uma forte motivação para pertencem estão menos satisfeitos com seus relacionamentos e tendem a ser relativamente solitário.

 Assim como os bebês formam anexos com seus cuidadores, as pessoas desenvolvem anexos só porque eles vivem perto um do outro. Isto sugere que a proximidade às vezes supera as tendências de se relacionar com outras pessoas que são semelhantes a nós. Laços sociais positivos formam com a mesma facilidade em circunstâncias terríveis, como os veteranos militares que tenham sido submetidos a batalha pesada juntos. As pessoas estão tão hesitantes em quebrar os laços sociais que, em muitos casos, eles estão hesitantes para dissolver até mesmo maus relacionamentos que poderiam ser potencialmente destrutivo. Por exemplo, muitas mulheres não estão dispostos a deixar seus cônjuges ou namorados abusivos com desculpas que vão desde gostando pelo abuso de interesses próprios econômicos que são mais importantes do que o dano físico. Esta falta de vontade para deixar um parceiro abusivo, seja mental ou fisicamente, é apenas mais um indicador do poder de pertencimento e como os indivíduos são relutantes para quebrar estas ligações. Romper um anexo provoca dor que está profundamente enraizada nessa pertença.Como é dificil ser feliz sozinho, já dizia a música…

As  emoções mais fortes no ser humano, dizem as pesquisas estão ligadas ao apego e ao pertencimento. A evidência empírica sugere que quando os indivíduos são aceitos, congratulou-se, ou foram incluídos, leva os indivíduos a sentir emoções positivas, como felicidade, alegria, calma e satisfação. No entanto, quando os indivíduos são rejeitados ou excluídos, eles  sentem fortes emoções negativas, como ansiedade, inveja, depressão e tristeza. Na verdade, a dor psicológica causada pela rejeição social é tão intensa que envolve as mesmas regiões do cérebro envolvidas na experiência da dor física. Ambas reações positivas e negativas emocionalmente estão ligadas ao status de relacionamento. A existência de uma ligação social muda a forma como se responde emocionalmente para as ações de um parceiro de relacionamento e as emoções têm o potencial de se intensificar.

Falta de relações constantes, positivas tem sido associada a uma grande variedade de conseqüências. Pessoas que não têm relações afetivas duradouras são mais propensas a problemas de comportamento, tais como a criminalidade e de suicídio e pode sofrer de  doença mental e física. Com base nessas evidências, múltiplos são os problemas são causados ​​pela falta de pertencimento e anexos. Por conseguinte, parece apropriado considerar relacionamentos afetivos duradouros e convivio social como uma necessidade, em vez de simplesmente uma possibilidade.

Somos capazes de fazer qualquer coisa para pertencer e não adoecer.

BEIJINHO

Rita

TRANSCRIÇÃO DO TEXTO / VIDEO:

 Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados, nosso medo mais profundo é que somos poderosos além da medida, além da medida. Eu vou te mostrar como eu sou grande! Na noite passada eu apaguei a luz do meu quarto, apertei o interruptor, e estava na cama antes que o quarto ficasse escuro. Eu vou te mostrar como eu sou grande! Somente na semana passada, eu assassinei uma rocha, feri uma pedra, hospitalizei um tijolo, eu sou tão mau que faço o remédio ficar doente! Eu vou te mostrar como eu sou grande! Este garoto vai ser o melhor garoto do mundo. Este garoto vai ser alguém melhor do que qualquer um que já conheci. Eu vou te mostrar como eu sou grande! Eu lutei com um crocodilo, briguei com uma baleia, algemei o relâmpago, joguei o trovão dentro da cadeia! Eu vou te mostrar como eu sou grande! Todos vocês seus idiotas vão se curvar quando eu quebrar ele! todos vocês! Eu sei que vocês conhecem ele, Eu sei que vocês apostaram nele, mas para os homens em apuros, Eu vou lhes mostrar como eu sou grande! Mas em algum lugar ao longo da linha você mudou, você parou de ser você mesmo! Você deixa as pessoas colocarem o dedo na sua cara e dizerem que você não é bom, e quando as coisas ficam difíceis, você começa a procurar algo pra culpar, como uma grande sombra. Deixe me te dizer algo que você já sabe, o mundo não é um lugar todo ensolarado e cheio de arco-íris, é um lugar perverso e repugnante e não me importa quão durão você é, ele vai te quebrar e te deixar de joelhos e vai te manter assim permanentemente se você deixar. Você, eu, e ninguém, vai bater tão duro quanto a vida; mas não se trata quão forte você bate, é o quão duro você consegue apanhar e seguir em frente, o quanto você consegue aguentar e seguir em frente. É assim que é a vitória é conquistada! Porque se você está desejando passar pelos desafios que você precisa enfrentar, para chegar aonde você quer chegar, quem tem o direito de parar você? Quero dizer, talvez alguns de vocês têm algo que nunca terminaram, algo que vocês gostariam de fazer, algo que vocês nunca disseram para alguém, alguma coisa… E vocês disseram NÃO mesmo tendo pago suas dívidas, quem têm o direito de te dizer isso? QUEM? NINGUÉM! É seu o direito de ouvir seu coração, e ninguém têm o direito de te dizer “não” depois de você ganhar o direito de estar aonde você quer estar e fazer o que você quer fazer! Agora se você sabe o que vale a pena pra você, então vai lá e consiga o que vale a pena pra você. Mas você tem que estar disposto a receber os golpes. E não apontando dedos dizendo que você não está aonde quer por causa “daquele”, daquela ou de qualquer um. Só covardes fazem isso e você não é um!!! Você é melhor que isso! Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados, nosso medo mais profundo é que somos poderosos além da medida, além da medida. É a nossa luz, não nossa escuridão que mais nos assusta. Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados. Nosso medo mais profundo é que somos poderosos além da medida. Brincar de ser pequeno não serve ao mundo. Não há iluminação em se encolher para que outras pessoas não se sintam inseguras ao seu redor. Somos todos feitos para brilhar, como fazem as crianças. Não está somente em alguns de nós, está em todos. E quando deixamos nossa luz brilhar, inconscientemente damos às outras pessoas permissão para fazerem o mesmo. Quando nos libertamos do nosso medo. Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados, nosso medo mais profundo é que somos poderosos além da medida. Todos vocês seus idiotas vão se curvar quando eu quebrar ele! todos vocês! Eu sei que vocês conhecem ele, Eu sei que vocês apostaram nele, mas para os homens em apuros, Eu vou lhes mostrar como eu sou grande!

Close