As palavras têm significado: algumas delas, porém, guardam sensações. A palavra “comunidade” é uma dessas. Ela sugere uma coisa boa: o que quer que “comunidade” signifique, é bom “ter uma comunidade”, “estar numa comunidade”. Se alguém se afasta do caminho certo, freqüentemente explicamos sua conduta reprovável dizendo que “anda em má companhia”. Se alguém se sente miserável, sofre muito e se vê persistentemente privado de uma vida digna, logo acusamos a sociedade — o modo como está organizada e como funciona.

 

As companhias ou a sociedade podem ser más; mas não a comunidade. Com a comunidade sentimos sempre uma coisa boa. E ainda: numa comunidade podemos contar com a boa vontade dos outros. Se tropeçarmos e cairmos, os outros nos ajudarão a ficar de pé outra vez. Ninguém vai rir de nós, nem ridicularizar nossa falta de jeito e alegrar-se com nossa desgraça.  E assim é fácil ver por que a palavra “comunidade” sugere coisa boa.

 

Quem não gostaria de viver entre pessoas amigáveis e bem intencionadas nas quais pudesse confiar e de cujas palavras e atos pudesse se apoiar? Para nós em particular — que vivemos em tempos implacáveis, tempos de competição e de desprezo pelos mais fracos, quando em resposta a nossos pedidos de ajuda ouvimos advertências para que fiquemos por nossa própria conta, quando só os bancos ansiosos por hipotecar nossas posses sorriem desejando dizer “sim”, e mesmo eles apenas nos comerciais e nunca em seus escritórios — a palavra “comunidade” soa como música aos nossos ouvidos.

 

O que essa palavra evoca é tudo aquilo de que sentimos falta e de que precisamos para viver seguros e confiantes. VENHA FAZER PARTE DESSA COMUNIDADE….ATÉ QUARTA!

Beijo,

Rita de Cássia Antunes de Oliveira

 

Leitura sugerida: Comunidade – A Busca Por Segurança No Mundo Atual
Autor: BAUMAN, ZYGMUNT
Editora: JORGE ZAHAR
Assunto: CIÊNCIAS SOCIAIS – SOCIOLOGIA

 

Close