Be - Chicago - Projeto Vemser

O que significa dizer que a existência precede a essência: significa que, em primeira instancia, o homem existe, encontra a si mesmo, surge no mundo e só posteriormente se define.

(Sartre – Existencialismo é Humanismo. Os Pensadores. ed. Victor Civita, 1984)

Em aulas anteriores estivemos juntos analisando a construção do ser consciente, conceituando consciência, e buscando em nós maneiras multiplas de desenvolve-la…

Transcender!

Ir além : este é o objetivo, o sentido da vida . Vivemos para desenvolver as potencialidades psíquicas de que todos somos dotados.

Segundo Herculano Pires , nossa existência terrena tem por fim a transcendência, ou seja, a superação constante da nossa condição humana. Desde o nascimento até o nosso último dia passamos pelas experiências que desenvolvem as nossas aptidões inatas, em todos os sentidos. Transcende a condição em que nasceu e passa para as fases superiores da infância, entrando depois na adolescência e depois na mocidade, na madureza e na velhice. Ao fazer todo esse trajeto ela desenvolveu suas forças orgânicas e psíquicas, sua afetividade, sua capacidade de compreender o que se passa ao seu redor e seu poder de dominar as circunstâncias.  Isso é transcender, elevar-se acima da condição em que nasceu. É para isso que vivemos.

Livro dos Espíritos(Kardec) -Parte Terceira – Das leis morais – CAPÍTULO VIII- DA LEI DO PROGRESSO  – Marcha do progresso

Questão 780. O progresso moral acompanha sempre o progresso intelectual?

“Decorre deste, mas nem sempre o segue imediatamente.”

a) – Como pode o progresso intelectual engendrar o progresso moral?

“Fazendo compreensíveis o bem e o mal. O homem, desde então, pode escolher. O desenvolvimento do livre-arbítrio acompanha o da inteligência e aumenta a responsabilidade dos atos.”

•b) – Como é, nesse caso, que, muitas vezes, sucede serem os povos mais instruídos os mais pervertidos também?

“O progresso completo constitui o objetivo. Os povos, porém, como os indivíduos, só passo a passo o atingem. Enquanto não se lhes haja desenvolvido o senso moral, pode mesmo acontecer que se sirvam da inteligência para a prática do mal. O moral e a inteligência são duas forças que só com o tempo chegam a equilibrar-se.”

Sabemos o quanto a nossa mente influencia a nossa condição fisiológica. Colocamos em aulas anteriores a proposta por analogia de Maturana e Varela da Organização Estrutural no conceito da Autopoiese e chegamos a conclusão que como Espíritos somos seres autopoiéticos…

A estrutra de nosso pensamento é que foi questionada nesses ultimos módulos. Para nos sentirmos organizados, nos estruturamos em pensamentos que nem  sempre são nossos, nossos como sendo os pensamentos que provem de  nossas estruturas psiquicas conscientes para  determina-los como sendo validade de nossa subjetividade. Dai advém o principio de nossa desordem interna… Tentarei melhorar isso dividindo pensamento em ativo e passivo.

O pensamento passivo é um tipo de raciocínio que vai fluindo sem o controle do Eu. É  um tipo involuntário de pensamento que nos leva a conclusões por vezes interessantes. Segundo a tipologia Junguiana, esse é o pensamento orientado pela intuição. O que o contrapõe, que é o pensamento ativo, é orientado pela sensação, controlado pelo Eu, e está estruturado e planejado em busca de uma conclusão ou resposta.

Já que o pensamento passivo é aquele que determina nossa metafísica (porque esta é algo irrefletido), é forçoso que o pensamento ativo seja submetido a ele, embora se deseje que as determinações do Eu sejam absolutas.

Por vezes um pensamento passivo, já que está fora do nosso controle, contraria certos paradigmas ou valores do Eu. Assim, se eu tenho uma visão maniqueísta baseada numa religiosidade dogmática, é provável que meus valores rejeitem certos sentimentos (a saber: raiva, ressentimento, etc.) e que meus paradigmas rejeitem certas idéias (ateísmo, outra visão religiosa, etc.). Maniqueísmo é uma filosofia religiosa sincrética e dualística que divide o mundo entre Bem, ou Deus, e Mal, ou o Diabo.

Apesar desse funcionamento imperativo do Eu em relação ao filtro de idéias e sentimentos, podendo reprimir certos pensamentos alcançados de forma passiva, seria essencial para o desenvolvimento do indivíduo que ele seguisse o conselho de Nietzsche: Se transformar em leão, a fim de matar o dragão, que possui em suas escamas o “tu deves”.

Não quero passar aqui uma idéia de que se deve abrir a mente a outras (todas as) perspectivas. Não adianta tentarmos assimilar idéias que contrariem nossa essência ou estágio, pois a idéia não passará de um conjunto de palavras sem valor (eis aí um argumento contra a disciplina). Somente seria saudável reconhecer o caráter efêmero das idéias. Nossos pensamentos, em sua maioria, nada mais são do que um reflexo de nossa identidade ou do estágio evolutivo consciencial  que nos encontramos. Daí decorre que abraçar dogmaticamente alguma idéia é se prender ao passado e impedir o próprio desenvolvimento, porque os pensamentos passivos não são fixos, e é bem comum eles estarem em contradição direta. Justamente por isso o Maniqueísmo impede esse fluxo, porque tende a negar mais ou menos a metade do que recebe.

Poder-se-ia objetar que é escolha do Eu decidir se quer desenvolver-se ou não. E seria plausível tal objeção em nível filosófico. Só que, em nível psicológico, a deliberação do Eu não é assim tão poderosa quanto queremos que seja: O impulso para o desenvolvimento e o equilíbrio continua acontecendo na psique inconsciente. Sobre isso, aliás, psicólogos junguianos fazem uma relação direta entre a psicossomática e a atitude psicológica: mesmo que a escolha do indivíduo seja se fixar num paradigma e nunca mudar, seu “Inconsciente” não aceita isso, do que decorrem problemas psicossomáticos.

Se um individuo sonha constantemente que está matando pessoas, isso não quer dizer que ele seja assassino, ou se ele devaneia constantemente sobre coisas “horriveis” isso não significa necessariamente que essas coisas se transformarão em ações. Graças a deus temos Jung para nos ajudar nessas horas!!!!

O que eu gostaria de ressaltar é que as nossas idéias são de busca íntima e que portanto não tem nenhuma relação com a busca da “verdade”. Em nosso nivel consciencial atual somos diretamente influenciados pelo nosso Inconsciente.Fixar-se em uma ideia( monoideísmo como coloca André Luis em Evolução em Dois Mundos)é como senos fixassemos em apenas um estagio evolutivo consciencial,pois as idéias em si se modificam com o decorrer de nossas experiencias. Avaliar o quanto nossas escolhas e tomadas de decisões estão pautadas em automatismos, em condicionamentos é nosso dever consciencial.

Pensem nisso…

Não conseguimos controlar nada!

Aleatoriedade

Imprevisibilidade

Mudanças

Palavras de ordem em nossa ultima aula, e que só nos contam qual é a essencia da vida.

Tudo é além…

“O homem que considera sua razão infalível, está bem próximo do erro”. Allan Kardec (LE)

beijinhos

Rita



Close